O concelho está situado na transição entre as duas feições, a duriense e a trasmontana. Voltando-nos a sul, vemos uma paisagem amena de vinhedos e olival, de óbvia riqueza. A norte, encostas serranas e penhascosas, menos produtivas.

Durante muito tempo, Murça foi identificada com uma única rua, coincidente com a Estrada Nacional 15. Mas o desenvolvimento urbanístico das últimas décadas rasgou novos artérias, avenidas e praças, dando-lhe ar citadino.

O património histórico-arquitectónico mais significativo encontra-se, é óbvio, na parte antiga. Mais que qualquer outro monumento, é a chamada Porca de Murça que simboliza a vila. Trata-se de uma escultura granítica representando um quadrúpede. O povo considerou que se tratava de uma ursa que devastava a região e foi necessário eliminar. Depois, passou a ser uma porca. Mas os atributos masculinos bem visíveis não enganam: é na verdade um berrão, do mesmo género dos que se encontram frequentemente na zona oriental de Trás-os-Montes, relacionados com um culto da fertilidade de povos pré-romanos. Seja como for, é hoje um monumento que se ergue orgulhoso sobre um plinto no centro da praça principal. A Igreja Matriz, a Capela da Misericórdia com a sua exuberante fachada barroca, o pelourinho e um ou outro solar são outros tantos motivos de interesse.

A proximidade à exploração aurífera de Jales determina a existência de alguns vestígios da romanização, nomeadamente pontes e calçadas. De épocas ainda anteriores, existem alguns monumentos megalíticos e castros, dos quais o mais conhecido e explorado é o Crasto de Palheiros.

As principais produções agrícolas são o azeite e os vinhos. Mas estes é que conquistaram um lugar privilegiado na carta dos vinhos portugueses. Murça produz grandes vinhos de mesa, assim como vinhos finos, que têm obtido repetidamente distinções em concursos, nacionais e internacionais. Uns e outros vão bem com a gastronomia local: com as carnes de um cozido à portuguesa ou com algumas das mais saborosas especialidades em doçaria, acaso herdadas das beneditinas que em Murça tiveram convento: o toucinho-do-céu e as queijadas.